22 de set de 2014

Bilhete para você

Eu queria te falar sobre a tristeza. Não que eu esteja particularmente triste. É que - pensei aqui sobre as particularidades da tristeza, queria não divagar, então finjo que isso aqui é aquele momento em que chego perto do seu ouvido para falar sobre algo que não sei direito ainda - existe essa demanda insolente de assuntos tristes nos assustando os olhos, os ouvidos, quero crer em bocas. Quase ninguém é realmente legal, um tropeço e seu melhor amigo fica distante, o cobrador do ônibus pode te surpreender, mas no dia seguinte ele não vai te reconhecer. Quem é mesmo que te conhece? Essa pergunta besta, mas é que a tristeza é isso também: quando o que a gente desconhece deixa de nos movimentar. Vejo as imagens, de longe, tudo é de longe, tentando ser paciente, mas sou grosseiro, compro brigas, não sei pagar fiado. Eu não sou legal. Isso não é um deboche, tou aqui pensando comigo mesmo sobre a gravidade dessas coisas, das notícias, do papo-furado, daquela saudade que a gente sente. Preciso te falar sobre a tristeza porque você vai me entender. Vai me ajudar a olhar para os lados e ser mais carinhoso com as escolhas alheias, porque uma parte considerável do equívoco está nos nossos olhos. Não consigo mais recortar algum desgosto e compartilhar contigo naquele nosso movimento bonito de melhorar. Não sei ser otimista longe de você. Desde que sai da sua barriga, me sinto longe. Aprendi a ficar longe. Mas não aprendi a ser otimista. Queria te falar da tristeza não porque estou triste, mas porque te amo, e sei que você não vai ficar preocupada. Você é ocupada de mim e não sei como você sobrevive. Queria te falar da tristeza porque as coisas estão indo bem, encontrei pessoas que me acham bacana. Elas não me conhecem direito ainda. Queria te falar dessa moça que conheci, não sei o que vai acontecer, mas me senti tão bonito outro dia do lado dela, quase um galã. Pequeno, magrelo, mas um galã. Queria te falar sobre a tristeza, porque não sei o que é felicidade. Queria te falar sobre a tristeza porque quando a compartilhamos, ela muda de cor e de gosto. A verdade é que quando estou imerso na tristeza, não consigo falar sobre. É quase como uma traição. Não entendo essa fidelidade. Por isso queria te falar hoje, porque consigo respirar, tenho horizontes para olhar, a moça do café é sorridente, e eu ainda estou vivo. 

Eu queria te falar sobre a tristeza porque estou com saudades. E ontem ensinei meu amigo chinês o que significa saudade. E ele saiu achando que em português as pessoas tem mais sentimento do que em outras línguas.

Eu queria só lhe falar que te amo. Esqueça a tristeza.

Nenhum comentário: